15 minutos de Teatro Rápido por Lisboa!

E se lhe dissermos que pode ver uma peça de teatro em “apenas” 15 minutos? Onde? Em Lisboa, claro!

Surgiu em Lisboa, em Maio de 2012. Chama-se Teatro Rápido  (TR) e dispõe de quatro salas que funcionam, em simultâneo, proporcionando ao público a possibilidade de (vi)ver estórias com princípio, meio e fim – sim, em “apenas” 15 minutos. Venham connosco até à Rua Serpa Pinto, 14, ali mesmo no Chiado.

Descobrimos o TR através de uma notícia de televisão. O conceito, a ideia de poder assistir a uma peça com a duração de 15 minutos suscitou curiosidade: como assim? Uma peça inteira num quarto de hora?

Passo seguinte: visitar o espaço,  que acabou por nos surpreender pelo acolhimento feito ao público.  Ao comprar o  bilhete podemos ser  aconselhados a escolher esta ou aquela sessão, consoante o tempo de que dispomos: há sempre sessões a acontecer, entre as 18h e as 20h25. Uma entrada custa 3€ e o pack para as quatro peças, 10€.

Todos os meses há um tema diferente – e por isso quatro projectos diferentes em cena – além disso, ao sábado e domingo há, ainda, teatro para a infância. Podemos afirmar que a monotonia não reina ali para os lados do nº 14 da Rua Serpa Pinto. Sim, a monotonia nunca está em palco – até porque as salas não têm palco. Não acreditam?

Depois de comprado o bilhete, somos convidados a esperar no TR Bar pela assistente de sala, que nos vai chamar, na hora marcada, para nos deslocarmos até à sala. Nesta podemos ficar sentados, de pé ou até fazer parte da acção. Nalgumas peças os actores, disfarçadamente, entravam como se de público se tratasse – sim, pode acontecer. E, caso encontre por lá um actor da sua eleição, poderá conversar com ele, descontraidamente, no Bar. A proximidade entre público e actores não acontece só dentro das salas – mas também cá fora, nos corredores ou no Bar.

Os primeiros indícios de microteatro, em Portugal, remontam a 1946, altura em que Luís Francisco Rebello, Gino Saviotti e Vasco Mendonça fundam o Teatro-Estúdio do Salitre e levam a cena peças curtas. Todavia, foi em Madrid que Alexandre Gonçalves – o Director do TR – conheceu o conceito de microteatro. Em salas onde o espaço também é “curto”, o público assistia a uma peça com princípio meio e fim. No Microteatro por Dinero , Alexandre viveu a experiência de ausência da quarta parede, entre actores e público. E resolveu “importar” o conceito, para a cidade “menina e moça”.

Este desafio de viver o teatro de uma forma diferente também se destina aos actores, encenadores, cenógrafos, dramaturgos: o TR abre, mensalmente, candidaturas a projectos que queiram fazer parte da sua programação temática. Este facto tem motivado dramaturgos a escrever, de raiz, à luz do conceito do microteatro; outros, adaptam obras já existentes. As equipas recebem, nas vésperas do dia 1 de cada mês, uma sala vazia onde têm que construir o espaço de cena. E acreditem que têm aparecido criações muito diferentes naquelas quatro salas: desde um touro mecânico, uma piscina (sim, com água e tudo, onde as actrizes mergulhavam!), uma sala preparada para um exorcismo, uma trincheira de guerra – todos os meses podemos ser surpreendidos com a imaginação e criatividade das equipas.

No TR o teatro é vivido de forma intensa: não pensem que o facto de assistirmos a peças de 15 minutos faz com que a experiência seja leve, desprovida de emoção. Nestes quase dois anos de TR podemos afirmar que já saímos das salas em lágrimas, a partilhar gargalhadas com os amigos, a pensar seriamente nisto ou naquilo, a sorrir – mas sempre de alma cheia por ver tão bom teatro e profissionais empenhados e a viver cada sessão com a mesma dedicação que o fazem no “teatro convencional”.

É também no Bar que temos oportunidade de assistir a curtas de cinema, espectáculos musicais ou de dança, leituras encenadas de textos para teatro ou tertúlias – o TR torna-se, assim, num ponto de encontro de artistas, para artistas e para o público em geral. Sem esquecer as iguarias que podemos encontrar por lá e o facto de também por lá podermos jantar.

Para a equipa Onde Lisboa, descobrir o TR revelou-se, sobretudo, numa forma de descobrir o Teatro em si. É por esse motivo que partilhamos esta descoberta com os nossos leitores, na esperança de que o conceito vos contagie – positivamente – tal como aconteceu connosco.

15 minutos, 3€: teatro rápido, low cost e a transpirar qualidade por todos os poros – assim é o TR.

 

Onde: Rua Serpa Pinto, 14 – Chiado
Como chegar: Autocarro: 758 | Elétrico: 28 | Metro: Baixa-Chiado (linha azul)
Horário das peças: de quinta a segunda, entre as 18h e as 20h25 | TR Bar: segundas,  16h-22h; quintas,  16h-20h; sextas,  16h-02h; sábados, 11h-2h e domingos, 11h-22h | Encerra às terças e quartas.
Contacto: 213 479 138
Preços: Cada sessão 3€/sala | Pack 4 salas 10€

Observações: O TR Bar dispõe de um espaço onde é possível apreciar uma exposição que, tal como as peças, muda mensalmente. Mais informação aqui. 

Nota: as fotografias das peças, presentes neste artigo, foram gentilmente cedidas pelo Mário Pires.

 

Relacionados

Share

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.