Quando ir ao cabeleireiro não é uma tarefa, mas uma experiência

Dizem os especialistas que devemos cortar o cabelo de 3 em 3 meses. Ora, mesmo que passemos à frente uma ou outra vez, ter um cabeleireiro de confiança não é fácil de arranjar. Fica aqui uma das nossas sugestões: Maria Lourenço Cabelereiros – na Avenida de Roma e em Sete Rios.

“Faço o que gosto e com paixão!”

Maria Lourenço abriu o seu primeiro salão de cabeleireiro na zona oriental de Lisboa, com apenas 24 anos. Hoje, tem o projeto “Maria Lourenço Cabeleireiros” na Avenida de Roma e na Avenida Columbano Bordalo Pinheiro – o primeiro “Flag Ship L’Oréal Professionnel”.

Os clientes vêm à procura de uma experiência global de beleza.

O projeto que dirige tem perto de 40 colaboradores. Dado o estatuto que adquiriu no ramo são as pessoas que lhe enviam o currículo. “Gosto de pessoas com alguns anos de experiência. Para mim, um bom profissional tem de saber estar, ser educado, bom conversador e saber da arte”, diz-nos.

Experiência global de beleza

“Antigamente as nossas clientes iam ao cabeleireiro arranjar o cabelo. Hoje em dia, vêm em busca de uma experiência, para sentir que é o momento delas”, explica-nos Maria Lourenço.

O conceito de “experiência global de beleza” consiste no tratamento do corpo desde os pés à cabeça. Nos “Maria Lourenço Cabeleireiros” são prestados vários serviços que vão do tratamento do cabelo (mudança de visual, hidratação, corte), às massagens, ao cuidado da pele, mãos e pés. Tudo para criar uma experiência de bem-estar.

“Mas ainda acontece aquele corte de véspera porque o cliente tem uma reunião importante ou um casamento. Neste caso, são muitas as noivas e as damas de honor que nos procuram para estar perfeitas naquele dia tão importante.”

Mas não são só as mulheres a frequentar os espaços “Maria Lourenço Cabeleireiros”: 25% de homens, de todas as idades, cada vez mais a seguir as tendências e com preocupações que antes não tinham com o cabelo e a pele. É, na sua opinião, um segmento de mercado que está a crescer imenso.

A clientela também mudou muito desde que começou a trabalhar como hairstylist. A era digital veio aumentar o conhecimento que os clientes têm e obrigou os profissionais desta área a crescer muito rapidamente. Isso porque todas as semanas aparece uma nova tendência, cor ou corte. Daí a aposta e a necessidade de formação contínua.

As típicas revistas na sala de espera

Os portugueses já procuram ter um visual igual ao das figuras públicas. E porque a exigência do cliente aumentou, nos “Maria Lourenço Cabeleireiros”, as revistas foram substituídas pelos iPad, onde os clientes vêem as cores e os cortes que querem.

É raro os clientes chegarem e dizerem que querem determinado penteado. Cabe aos colaboradores  fazer o diagnóstico e aconselhar. “A nossa preocupação é saber se a cliente é uma executiva, se é vegan, se faz desporto, se vem todas as semanas ou 2 vezes por ano.

Quando entra no nosso espaço, a primeira coisa que fazemos é percebermos como entra, quais são os gestos, se é uma pessoa calma, indecisa, decidida…”. Tudo isso para perceber que visual ficará melhor e dar o melhor aconselhamento.

Apesar de estar menos conservador, o cliente português ainda demora a adotar as tendências internacionais.

A nível de corte, não há grandes diferenças em relação à temporada anterior. Vão usar-se muito os long bob, as tranças, os hair up e os ponytail. A grande mudança estará nas cores: tons de azul, rosas, verdes, amarelos, roxos… “Este ano estão na moda as cores explosivas, mas acredito que só no próximo chegarão em força a Portugal”.

Apesar de preferir o trabalho de salão, também faz a Moda Lisboa e o Portugal Fashion. O backstage e os desfiles são um espaço de aprendizagem e onde pode fazer experiências. Tal como acontece com as roupas que os estilistas apresentam, também há visuais que não saem das passarelas. “É um ritmo totalmente diferente”, confidencia-nos.

É responsável pelo Instituto Kérastase (único no país) e também embaixadora da L’ Oréal Professionnele: é responsável pela formação dada aos clientes da L’ Oréal um pouco por todo o país.

“Sempre que há um lançamento público, os jornalistas vêm aos meus espaços conhecer os produtos”, diz-nos. Testam em primeira mão os novos produtos, têm formação privilegiada e os seus clientes são os primeiros a ter acesso a eles. O salão na Avenida Columbano Bordallo Pinheiro funciona como “Flag Ship L’Oréal Professionnel”.

A arte, que já vem de família, já está a passar para outra geração.  Tem ao seu lado o filho Rui, que lhe dá apoio na área da gestão e do marketing; dá-lhe liberdade e tempo para ainda trabalhar por marcação como hairstylist.

Porque tão importante como os conhecimentos de gestão e de marketing é o conhecimento da profissão. Os clientes, exigentes, são a sua razão de existir “obrigam-nos a ser os melhores, mas mimam-nos e gostam muito de nós”.

 

Onde: Galerias Acqua Roma, Loja 125, Avenida de Roma, 15 B
Horário: Todos os dias das 8 às 21 horas
Contacto: 217 820 246 / 916 586 817

Onde: Avenida Columbano Bordalo Pinheiro, 108 C
Horário: Segunda a Sábado das 08h às 20h; Aberto aos feriados, exceto 1 de Janeiro, 25 de Dezembro e feriados em domingos
Contacto: 217 269 302 / 916 586 890

 

Relacionados

Share

Deixe uma resposta